Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

domingo, 7 de março de 2021

Volta do imposto CPMF pode pesar no bolso do contribuinte; entenda

A volta da antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) vai contra o que o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, prometeu na campanha de 2018.

Já eleito, o presidente garantia: “De forma alguma isso daí vai voltar, tá ok?”. O “isso daí” seria o  imposto nos mesmos moldes da  CPMF, que era de 0,38%. Mas, desde o ano passado, o ministro da Economia Paulo Guedes vem insistindo na volta de um tributo para cobrir as despesas do governo.

No domingo passado, inclusive, o próprio  Bolsonaro deu aval ao ministro para “testar” esse imposto, que vai incidir sobre operações financeiras feitas no ambiente físico e pela internet, entre elas pagamentos e compras. Essa “velhidade” – afinal esse imposto não tem nada de novidade -, foi duramente criticada por economistas e parlamentares.

“Todo mundo sabe que CPMF, não importa o nome que se dê a este imposto, é péssimo. É regressivo”, adverte a economista Elena Landau, ex-assessora da presidência do BNDES e ex-diretora da área responsável pelo Programa Nacional de Desestatização, durante o governo Fernando Henrique Cardoso.
E acrescenta: “(A CPMF) É um imposto de quem tem preguiça de fazer uma  reforma. Imposto de quem não quer ceder ao fato de que no Congresso já existe uma avançada discussão sobre reforma”.

Só para explicar: o governo Bolsonaro está enviando a  Reforma Tributária ao Congresso de forma fatiada. A primeira parte da proposta sugere unificar dois tributos sobre o consumo, PIS e Cofins e criar o CBS, que deve ficar 12%. Uma outra parte da reforma deve ser apresentada no dia 15 de agosto. Nela estariam mudanças no Imposto de Renda e desoneração para o setor de serviços.

Questionada pelo jornal O DIA se esse teste – a que se referiu Bolsonaro no domingo – seria um “balão de ensaio” a economista foi firme: “Não é balão de ensaio. É um desejo real de Guedes e ele vai fazer tudo para passar e colocar a ajuda do Centrão à prova”.

Já para o economista Raul Velloso, consultor econômico e ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, a aprovação do imposto deve ser barrada no Congresso. “É muito difícil aprovar a CPMF sob quaisquer condições. Veja que o Rodrigo Maia (presidente da Câmara) já saiu batendo.” Segundo ele, o caminho (para equacionar as contas) não é esse. “Enquanto a economia estiver no chão, o recomendável é deixar os tributos em paz e tentar outros caminhos”, avalia.

E quais seriam? “Eu venho propondo o equacionamento do passivo atuarial da previdência dos servidores via destinação de ativos aos fundos que forem criados. Assim seria possível abrir espaço nos orçamentos para aumentar investimentos para reativar a economia”, conta Velloso.

Fonte: IG ECONOMIA

Ler Anterior

Mulher Gestante foge de cativeiro, pede ajuda a PM e suspeito é preso em Cuiabá

Leia em seguida

Misael se contrapõe às críticas de colegas de Casa e diz que continua representar “a luta popular”