Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quinta-feira, 4 de março de 2021

Juíza manda excluir busca para vídeo íntimo de cuiabana

Google é obrigado pela Justiça a excluir nome de uma vítima de crime virtual de Mato Grosso do serviço de busca na internet. Mulher de 35 anos teve imagens íntimas divulgadas em sites pornôs e identidade associada a sexo e pornografia. Caso a decisão não seja cumprida, será aplicada multa diária de R$ 1 mil. A Defensoria Pública pede também indenização por danos morais no valor de 200 salários mínimos.

 

As imagens de Maria, nome fictício, foram descobertas depois que colegas de trabalho compartilharam entre si dois vídeos em um aplicativo de celular, em maio deste ano. A gravação foi disponibilizada em um dos maiores sites de pornografia do mundo, o Xvídeos. Uma pessoa alertou à gerente comercial sobre o ocorrido.

 

Dias depois, veio uma nova surpresa, começaram as ligações para o celular dela. Do outro lado da linha, estavam homens perguntando o valor do programa. “Fiquei assustada, disse para um deles que eu não era garota de programa e ele falou que se eu não era mesmo, que tomasse uma providência, pois um anúncio colocava meu vídeo e telefone num site de programas de Cuiabá”, relata a vítima.

 

Maria entrou em contato com a Google, via e-mail, e foi informada que a solicitação estava em ‘análise’. Porém, desde então, não houve retorno e os arquivos e links continuam disponíveis no site de busca. A vítima procurou a Defensoria Pública e o Núcleo de Atendimento ao Público entrou no caso.

 

A defensora Kelly Christina Veras Otácio Monteiro entrou com um pedido de liminar para que o nome de Maria fosse desvinculado de qualquer imagens íntimas e dos sites pornográficos. Para a análise do mérito, foi pedida a indenização por danos morais. No dia 21 deste mês, a juíza Sinii Savana Ribeiro concedeu a liminar. A decisão ainda aguarda cumprimento.

Ler Anterior

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Leia em seguida

Senadores vão ao Supremo contra a reeleição de Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia