Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

domingo, 28 de fevereiro de 2021

Municipalismo: conquistas e demandas

Este ano está sendo extremamente desafiador para os prefeitos brasileiros. Associada às dificuldades inerentes à administração pública municipal, com destaque para o caixa insuficiente para atender as demandas da população, por conta do nefasto Pacto Federativo vigente, somou-se a isso uma pandemia, tão assustadora e severa quanto inesperada. Em meio aos constantes sobressaltos, o movimento municipalista brasileiro intensificou a sua atuação em Brasília para agilizar o atendimento da pauta de reivindicações e com isso, garantir condições para os gestores municipais administrarem em meio à crise sanitária, que afetou a área da saúde e da economia brasileira.

Tivemos avanços e conquistas significativamente importantes, resultado das constantes mobilizações em Brasília, junto ao Governo Federal e ao Congresso Nacional, capitaneada pela Confederação Nacional dos Municípios e pelas entidades estaduais. A Associação Mato-grossense dos Municípios participou efetivamente de todas as reuniões, inicialmente presencias e depois remotas com o objetivo de viabilizar apoio institucional e financeiro aos municípios de Mato Grosso.

Como resultado dessa intensa mobilização, conseguimos garantir mais recursos federais para as prefeituras fazerem frente à crise na saúde e atender as demandas nos diversos setores da administração pública, como por exemplo, o apoio da União aos municípios para combater a pandemia propriamente dita e também como reposição de perdas financeiras devido à redução das atividades econômica, somara-se a mais de R$ 1,4 bilhão.

Esse volume de recursos financeiros beneficiou várias áreas das gestões públicas municipais, notadamente a da saúde, financeira e da ação social. O auxílio financeiro emergencial, viabilizado por meio da Lei Complementar LC 173/2020 totaliza R$ 961 milhões para os municípios mato-grossenses, repassados em quatro parcelas, sendo a última programada para este mês de setembro. Desse montante, R$ 911,5 milhões são para a recomposição das quedas no ICMS e ISS devido à redução das atividades econômicas, e R$ 49,7 milhões para investimento no SUS e Sistema Único de Assistência Social para serem aplicados em ações diretas ao combate ao Covid-19 e seus impactos na área social.

Um outro avanço foi a recomposição da queda do Fundo de Participação dos Municípios no mesmo patamar de 2019. De março a agosto as prefeituras de Mato Grosso receberam o FPM de R$ 111,3 milhões. Recentemente garantimos através da aprovação da MP 938/2020 que essa recomposição seja estendida até novembro próximo, possibilitando maior fôlego financeiro aos gestores.

Ainda para a área da saúde foram garantidos R$ 361,5 milhões, incluindo os repasses da Portaria 1.666/2020 e Portaria 774/2020, via Fundo Nacional da Saúde. Esses recursos são destinados a aplicados nos custeios das ações e serviços emergenciais, atenção primária, assistência ambulatorial, entre outras finalidades, todas elas no enfretamento da Covid-19.
O setor cultural também recebeu apoio do movimento municipalista, a União está destinando por meio da Lei Aldir Blanc, cerca de R$ 3 bilhões para estados, municípios e Distrito Federal. Desse montante, R$ 25,3 milhões virão para os municípios de Mato Grosso para serem aplicados em ações emergenciais de apoio ao setor e seus trabalhadores.

Para a assistência social dos 141 municípios de Mato Grosso, foram repassados R$ 36,9 milhões, para promover a estruturação da rede assistencial devido à situação de emergência provocada pela pandemia, aquisição de equipamentos de proteção individual entre outras atividades de apoio e proteção das pessoas, principalmente as mais vulneráveis.

A aprovação do PLP 170/2020 que estabelece regras para o recolhimento do ISS no município onde o serviço é prestado, também foi muito comemorada pelos prefeitos. Não era pra menos, haja vista que essa matéria tramitou por anos no Congresso Nacional e somente foi aprovada no Senado no final de agosto e aguarda sanção presidencial. A previsão é de que os municípios de Mato Grosso recebam cerca de R$ 150 milhões já no primeiro ano, com as mudanças no recolhimento do tributo.

Atualmente toda operação com cartão de credito, plano de saúde, leasing e outras operações financeiras, o ISS dessas transações são recolhidos em menos de 40 municípios brasileiros, onde estão localizados as sedes das operadoras. Com a aprovação do projeto de lei, a partir do ano que vem, o ISS será recolhido no município onde ocorreu a operação, ou seja, onde houve a transação comercial ou financeira.

Para o movimento municipalista e, principalmente para a nossa Associação dos Municípios, a promulgação da Emenda Constitucional 108/2020 que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) representa uma das mais significativas conquistas dos últimos anos, na área da educação. A medida possibilita que nos próximos seis anos, a complementação da União ao Fundo aumente, gradativamente, passando dos atuais 10% para 23%.

Embora os municípios já tenham sido beneficiados por essas medidas e ações de apoio, cabe destacar que ainda são suficientes para o enfrentamento das demandas da população, continuamos trabalhando pelo atendimento da pauta municipalista que ainda se encontra em tramitação no Congresso Nacional. Entre as principais, está a PEC 391/2017 que adiciona 1% no FPM no primeiro decêndio de setembro, já aprovada em primeiro turno na Câmara federal.

Estamos trabalhando também para a votação no Senado Federal do Projeto de Lei Complementar 133/2020, de autoria do senador Wellington Fagundes, que transfere R$ 65,5 bilhões da União a estados e municípios para compensar perdas de arrecadação com a Lei Kandir. Desde que assumimos a direção da AMM, em 2015, nos mobilizamos para que haja uma compensação mais justa das perdas, que ocorrem há mais de 20 anos devido à desoneração do ICMS nas exportações.

A suspensão do pagamento de precatórios pelos entes enquanto durar a situação de calamidade também está na lista de prioridades. O movimento luta para que seja oferecida uma linha de financiamento para o pagamento, conforme previsto na Emenda Constitucional 99.

A Reforma Tributária também é uma pauta de extrema importância, e já estamos participando ativamente das discussões, pois defendemos que os municípios tenham suas autonomias financeira garantidas. Evidentemente e no município que moram as pessoas, e nele que demanda as necessidades básicas, como saúde, educação, segurança, asfalto urbano, iluminação pública, limpeza da cidade, estradas para o escoamento da produção, espaços de laser, cultura e turismo, assistência social de pessoas e famílias vulneráveis sem contar que e no município que se geram empregos, receitas e riquezas, tanto no campo como na cidade.

Continuaremos vigilantes, acompanhando a tramitação no Congresso Nacional de projetos importantes para os municípios do estado, para Mato Grosso e para o Brasil, e na expectativa de que novos avanços institucionais sejam consolidados ainda este ano. Sendo assim, permaneceremos mobilizados com o objetivo de garantir o apoio que os municípios necessitam, na qualidade de ente federado mais próximo e mais demandado pela população local.

Neurilan Fraga é presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios-AMM

Ler Anterior

Hemocentro promove evento online para incentivar doação de medula óssea

Leia em seguida

Câmara de Cuiabá retoma parcialmente suas atividades presenciais