Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

sexta-feira, 23 de julho de 2021

A droga e a rua: o que a iniciativa pública tem a ver com isso?

Uma caminhada mais atenta pelo Centro Histórico de Cuiabá e você logo percebe: onde a o poder público falha, certamente a criminalidade, a violência e o descaso imperam. A vulnerabilidade social é um conceito socioeconômico que inclui escassez de recursos financeiros, moradia, educação e acesso e oportunidades ao desenvolvimento de um cidadão.

Às margens desta dita cidadania, pessoas em situação de rua muitas vezes são apenas a ponta do iceberg: pesquisas* mostram que os principais motivos para alguém enfrentar a rua são a ausência de vínculos familiares, a perda de algum ente querido, o desemprego, a violência, a perda da autoestima, o alcoolismo, o uso de drogas e a doença mental.

Dados** da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) indicam que atualmente existem em Cuiabá 562 pessoas em situação de rua. Com uma população de 612.547 habitantes, isso significa que a cada 10 mil habitantes, 9,2% são pessoas em situação de rua. A título de comparação, a vizinha Várzea Grande, com 284.971 habitantes, possui 140 pessoas em situação de rua, o que significa que a cada 10 mil habitantes, 4,9% são pessoas que tem vivido nas ruas.

Mas, como mudar este cenário? Eu, Luluca Riberio, acredito que fazer com que o poder público tome a frente é um dos principais, se não o mais importante, ponto de virada. Sim, é preciso entender que mudar a realidade destas pessoas faz toda diferença quando se fala em virar o jogo e contribuir para um modelo que foque na redução da vulnerabilidade social.

Sou defensor do esporte como meio de mudança econômica e social. Aliás, vou além: o esporte tem reflexos positivos quando o tema é saúde mental e dependência química.

Mas, confesso, tanto no caso de moradores em situação de rua como de pessoas que não estão na rua, mas vivem a dependência de entorpecentes, precisamos entender que é papel da iniciativa pública focar no atendimento específico de dependentes químicos e, claro, dar suporte psicológico para familiares e amigos que abraçam a causa.

Assim, defendo que seja papel do poder público a criação de núcleos ou centros de atenção focados exclusivamente aos dependentes químicos. Com isso quero dizer: sabemos que hoje locais como estes existem e, claro, cumprem seus papéis, mas são privados e, exatamente por isso, excluem uma grande parte da população.

É válido lembrar que tudo está conectado: auxiliar dependentes químicos a superar o motivo (ou motivos) por trás do vício, dar o suporte necessário para que eles enfrentem seus medos, traumas e dificuldades de inclusão social e mostrar que há saída reflete em dignidade e sensação de pertencimento. É retirar a “roupa da invisibilidade” que muitas dessas pessoas sentem que vestem e, no lugar, oportunizar uma vida fora da vulnerabilidade social, da violência e da criminalidade.

*Luluca Ribeiro é advogado, ex-secretário-adjunto municipal de Esportes em Cuiabá (2015-2016) e ex-dirigente da Federação Mato-grossense de Basketball.

Ler Anterior

Segurança esfaqueia cliente que se recusou a usar máscara

Leia em seguida

TCE acompanha combate a queimadas