Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quinta-feira, 4 de março de 2021

Oposição quer investigar repasse a programa de Michelle de R$ 7,5 mi

Parlamentares de oposição cobraram nesta quinta-feira (1º) uma investigação sobre o desvio de finalidade de R$ 7,5 milhões doados pela Marfrig para a compra de testes rápidos de Covid-19.

Conforme revelou o jornal Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (1º), o dinheiro doado pela empresa especificamente para o Ministério da Saúde comprar 100 mil kits de testes foi repassado pela Casa Civil da Presidência ao projeto Arrecadação Solidária, do programa Pátria Voluntária, liderado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

PSOL e PC do B pretendem acionar o TCU (Tribunal de Contas da União), e a bancada do PSOL na Câmara anunciou que vai vai pedir ao Ministério Público Federal que apure o caso, qualificado como “gravíssimo”.

Em uma rede social, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) fez fortes críticas ao desvio da finalidade do recurso. “Escândalo! Bolsonaro desviou R$ 7,5 milhões destinados a testes de Covid para o programa da sua esposa Michelle. Esse governo é genocida.”

A deputada Perpétua Almeida (AC), líder do PC do B na Câmara, também criticou o repasse.

“Como doações feitas pela iniciativa privada ao Ministério da Saúde para a compra de testes da Covid-19 tenham sido desviadas de sua finalidade sem qualquer justificativa apresentada e sem a necessária prestação de contas à sociedade?”, questionou.

Para ela, o governo deveria apresentar urgentemente a prestação de contas do dinheiro. “Para isto estamos tomando as providências legais no sentido de garantir o direito do Parlamento e da sociedade de ter as informações”, disse.

O partido vai entrar com um requerimento pedindo ao ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, informações sobre a destinação dos recursos doados pela Mafrig para a compra de testes. O documento vai embasar a representação que o partido vai ingressar no Ministério Público junto ao TCU.

No dia 23 de março, a Marfrig, um dos maiores frigoríficos de carne bovina do país, anunciou que doaria esse valor ao Ministério da Saúde para a compra de 100 mil testes rápidos do novo coronavírus.

Naquele momento, o Brasil enfrentava as primeiras semanas da pandemia e a falta desse material, enquanto a OMS (Organização Mundial da Saúde) orientava testar a população.

Dois meses depois, no dia 20 de maio, segundo a empresa disse por escrito à Folha de S.Paulo, a Casa Civil da Presidência da República informou que o dinheiro seria usado “com fim específico de aquisição e aplicação de testes de Covid-19”.

No dia 1º de julho, no entanto, com o dinheiro já transferido, o governo Bolsonaro consultou a Marfrig sobre a possibilidade de utilizar a verba não mais nos testes, mas em outras ações de combate à pandemia. Os recursos foram então parar no projeto Arrecadação Solidária, vinculado ao Pátria, de Michelle Bolsonaro.

Como a Folha de S.Paulo mostrou nesta quarta-feira (30), o programa liderado por Michelle repassou dinheiro do Arrecadação Solidária, sem edital de concorrência, a instituições missionárias evangélicas aliadas da ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), para a compra e distribuição de cestas básicas.

Os R$ 7,5 milhões da Marfrig representam quase 70% da arrecadação do programa até agora -R$ 10,9 milhões.

A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) defendeu que o presidente da República seja investigado.

“Bolsonaro desviou R$ 7,5 milhões, que haviam sido doados especificamente para a compra de testes de Covid, para o programa da primeira-dama, Pátria Voluntária. A testagem em massa e o rastreamento de casos poderiam ter salvado milhares de vidas. Ele deve ser investigado com urgência!”, afirmou.

Líder da Rede no Senado, Randolfe Rodrigues (AP) disse que a decisão do governo é um investimento na morte de brasileiros.

“Desviar R$ 7,5 milhões do combate à pandemia, que seriam para salvar vidas e mandar para o programa de Michelle, a esposa do presidente, é mais do que imoralidade, é um investimento direto na morte de milhares de pessoas. Como @jairbolsonaro explicará isso”?, questionou ele em rede social.

O líder da Minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), o desvio de finalidade dos recursos é inaceitável.

“Inaceitável. Bolsonaro desviou R$ 7,5 milhões doados para compras de testes rápidos para programa de voluntariado da primeira-dama! 100 mil testes a menos que poderiam salvar vidas. Até quando Bolsonaro vai priorizar a própria família e esquecer o povo brasileiro”.

A Folha de S.Paulo questionou a Casa Civil sobre o caso, mas não houve resposta até a conclusão da reportagem.

O episódio tem sido também criticada, de maneira reservada, por integrantes do núcleo militar do Palácio do Planalto.

Para eles, o caso desgasta a imagem do governo e reforça a crítica de partidos de oposição de que o presidente atua de forma displicente no enfrentamento à pandemia do coronavírus.

Eles, no entanto, argumentam que, apesar de o dinheiro não ter sido usado para a compra de testes, foi aplicado em iniciativas para amenizar os efeitos sociais da doença, sobretudo entre as pessoas mais pobres, ajudando, portanto, no combate à crise.

 

Como funciona o programa

O objetivo do Pátria Voluntária é promover, valorizar e reconhecer o voluntariado no Brasil

A definição de quem recebe as verbas é feita pelo Conselho de Solidariedade

Os maiores beneficiados foram: Instituto Missional (R$ 392 mil) e a Associação de Missões Transculturais Brasileiras (R$ 240 mil)

O programa soma R$ 10,9 milhões em arrecadação de doações

Os repasses a instituições privadas chegam a R$ 4,3 milhões

R$ 9 milhões de dinheiro público já foram gastos com publicidade

Ler Anterior

Bolsonaro: Brasil precisa de Forças Armadas para proteger Amazônia

Leia em seguida

Mulher é condenada à prisão perpétua após decapitar a sogra