Notícias de Última Hora :

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

domingo, 1 de agosto de 2021

Guedes prevê queda de 4% do PIB neste ano, menor que projeção anterior

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta segunda-feira (19) que a economia deverá recuar 4% neste ano, uma previsão menos negativa que a apresentada anteriormente.

A previsão oficial do Ministério da Economia, no entanto, continua sendo uma queda de 4,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020.

Em vídeo gravado para evento promovido pela Câmara de Comércio Estados Unidos-Brasil, Guedes lembrou que, há alguns meses, instituições internacionais chegaram a prever um recuo de 10% ou mais na economia do país, mas que as projeções estão melhorando.

“Nós achamos que será muito menor do que isso. Achamos que será 4% de queda [em 2020]”, declarou. Ele voltou a afirmar que a atividade econômica brasileira está se recuperando e citou a criação de quase 250 mil vagas formais de trabalho em agosto.

Nós achamos que será muito menor do que isso. Achamos que será 4% de queda

Já o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que espera queda de 4,5% no PIB. Ele participou de evento virtual promovido pelo Milken Institute nesta segunda-feira (19).

A previsão é melhor do que a apresentada no último Relatório de Inflação da autoridade monetária, em setembro, que era de retração de 5% na atividade.

“Entre os emergentes, fomos o país que mais gastou na pandemia, com o auxílio emergencial e outras medidas, mas também fomos o que caiu menos e que teve recuperação mais forte”, disse Campos Neto.

A queda esperada pela autarquia é menor também do que a estimada pelo Banco Mundial no início deste mês, de 5,4%.

Segundo boletim semanal divulgado pelo Banco Central, o mercado financeiro espera uma retração de 5% no PIB neste ano.

Em discussão sobre medidas para estimular a economia após o tombo causado pela Covid-19, Guedes defendeu a manutenção do teto de gastos, regra que impede o crescimento de despesas públicas acima da inflação.

Apesar de divergências internas no governo sobre essa norma, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), segundo o ministro, também quer a sustentação do teto de gastos. “O presidente está claramente do nosso lado”, afirmou Guedes.

Diante da pressão no Orçamento, que tem cerca de 95% de gastos obrigatórios, o ministro disse que tentará aprovar no Congresso medidas para reduzir essas despesas fixas, abrindo margem para outras.

Por isso, ele voltou a falar da necessidade de desindexar o Orçamento e, a partir de 2021, retomar a agenda de controle fiscal, já que, por causa da pandemia, foram autorizados gastos extraordinários em 2020.

De acordo com o ministro, o abandono do teto de gastos só deveria ser discutido após a aprovação de medidas como a desindexação e desvinculação do Orçamento.

Guedes ainda fez um balanço das ações adotadas pelo governo para enfrentar a crise econômica causada pelo coronavírus, como o programa para preservar empregos formais, medidas de estímulo ao crédito.

“O Brasil gastou 10% do PIB nessa operação de socorro, preservando vidas e empregos”, disse o ministro, reforçando que isso foi necessário e bem aplicado.

Para acelerar a recuperação da economia, Guedes voltou a defender reformas estruturais, como a reestruturação do funcionalismo público e a reestruturação do sistema tributário, além dos processos de privatização.

Ler Anterior

Emanuel: “evitamos tragédia maior”

Leia em seguida

Advogados de Andressa Suita negam o fim de ação na Justiça