Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

sábado, 19 de junho de 2021

Justiça bloqueia de R$ 13 milhões da “verdadeira” gestora do Ganha Tempo

Juíza Ana Cristina Silva Mendes negou pedido dos investigados para levantar o bloqueio; fraudes são investigadas no âmbito da Operação Tempo é Dinheiro

A juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, negou pedido das defesas dos empresários Osmar Marques, Osmar Linares (pai e filho, respectivamente) e da empresa Pro Jecto Gestão para levantar o bloqueio de bens de R$ 13 milhões. A decisão é do dia 19 de janeiro.

O bloqueio foi determinado para garantir o ressarcimento ao Estado por eventuais fraudes na gestão das unidades do Ganha Tempo em Mato Grosso.

As defesas de Marques e Linares alegaram que os bens bloqueados não têm origem dos fatos investigados, portanto, devem ser liberados. No entanto, a juíza entendeu que o decreto-lei 3.240/41 não exige a vinculação dos bens com o proveito da prática delituosa.

Já a defesa da Pro Jecto alegou que não está no polo passivo e por isso pediu o desbloqueio. Ocorre que a empresa também é sócia do Consórcio Rio Verde, além ser a verdadeira administradora do Ganha Tempo. As investigações demonstraram que a Rio Verde não tem lastro patrimonial para operar contratos em quase meio bilhão.

A Pro Jecto mantém em seu site informação de que gere o Ganha Tempo em MT, além de que é responsável pela área financeira e de recursos humanos da Rio Verde.

Durante as diligências para o cumprimento das medidas cautelares iniciais teriam sido averiguados elementos que denotariam possível confusão patrimonial e administrativa das empresas Pro Jecto e Rio Verde, uma vez que os setores de recursos humanos e departamentos financeiros de ambas as empresas seriam os mesmos”, diz a decisão.

Além disso, o empresário Osmar Marques, proprietário da Pro Jecto seria o verdadeiro dono da Rio Verde, sendo seu filho Osmar Linares, apenas administrador. Essa informação foi relatada por funcionários da empresa. Eles afirmaram que era público que o verdadeiro dono do Consórcio Rio Verde era Osmar Marques.

Constam reproduzidas na representação diversas declarações de colaboradores da empresa Rio Verde dando conta que seria de conhecimento público a informação de que Osmar Marques, pai de Osmar Linares Marques, seria o verdadeiro proprietário da empresa concessionária”, afirma.

O bloqueio inicial era de R$ 6 milhões, de forma solidária, entretanto, as investigações da operação Tempo é Dinheiro apontaram que o possível dano ao Erário poderia alcançar os R$ 13,1 milhões, provocando a Justiça a ampliar o sequestro dos bens. A empresa é acusada de fazer lançamentos de atendimentos falsos no sistema para receber mais recursos.

O valor do contrato é de R$ 461 milhões e foi anulado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Atualmente, as unidades do Ganha Tempo é administrado pelo Governo do Estado.

Foto: Acessoria

Redação: Felipe Leonel

Ler Anterior

DAE de VG pede que população economize água

Leia em seguida

Bando sequestra membro de facção, tortura por 15 dias e obriga a jogar celular e drogas dentro de presídio