Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Preconceito e globalismo

O prestigiado jornal de negócios Valor Econômico publicou na semana passada, edição de 11/2, um longo artigo com o título “A nova fronteira que, com riscos, transforma o Brasil”. Trata do crescimento e da evolução do agronegócio de Mato Grosso em particular. Reconhece o crescimento, a evolução tecnológica e o seu peso na economia nacional. Mas ao mesmo tempo questiona que existem riscos ambientais e não reconhece quaisquer esforços feitos ao longo do tempo. O artigo usa o estilo bate e assopra. Mas na essência reflete o título. Põe a questão ambiental como paradigma mundial que em algum momento irá paralisar a produção do agronegócio no Brasil e em Mato Grosso. Independente do estágio de controle ambiental em que se encontre. Pra isso usa um a linguagem muito preconceituosa que hoje domina o movimento crescente de globalismo. Nele as pautas mundiais caminham para discussões políticas com o discurso construído pra isso. Nas linhas abaixo falarei disso.

 

A eleição do presidente dos Estados Unidos deixou bem claro a existência de um movimento crescente em escala muito rápida, chamado de globalismo. O termo ainda circula nos meios políticos e acadêmicos como ponta de uma teoria que se deseja implantar no Brasil. Obviamente copiado do mundo, onde o globalismo cresce muito mais rápido.

Em que consiste? É, de certo modo, uma evolução do socialismo do século 21. Sem a truculência do socialismo do século 20 que matou milhões e milhões de pessoas na União Soviética, na China, no Cambodja e em países africanos e asiáticos.

 

Consiste no chamado multilateralismo. Nele, o poder mundial sai dos governos nacionais, e vai para organizações multilaterais como a Organização das Nações Unidos-ONU, Organização Mundial da Saúde-OMS, Organização Internacional do Trabalho-OIT, Fundo Monetário Internacional-FMI e tantas com a mesma ação mundial. O seu conjunto construiria um governo supra-nacional, engolindo os governos nacionais. Esse tipo de governo se basearia em grande pautas mundiais, como o ambiental, as desigualdades sociais, questões de gênero e sexualidade, questões religiosas e étnicas, o controle sobre o crescimento populacional. É a mesma ordem comunista do século 20. Aí se inclui a não propriedade privada. E explica o artigo do Valor Econômico quando assinala, com insistência, os riscos ambientais. O recado subliminar está muito claro.

 

O pano de fundo seria dado pela China socialista, a grande financiadora, pra alcançar a posição de primeira potência mundial nos próximos anos. Junto com a China grandes investidores ocidentais como George Soros, e movimentos secretos ou profundamente camuflados como os Illuminatti, e o Vaticano. Mas tem muitos outros participantes.

 

A eleição do atual presidente dos EUA abriu as portas pro globalismo no Ocidente. E atualiza dois livros ficcionistas do século passado: “1984” e “O Admirável Mundo Novo”. Ambos falam de um mundo dirigido por grandes corporações internacionais. Nesta semana surgiu a informação de que Bill Gates, o dono da Microsoft, já é o maior proprietário de terras nos EUA. Justamente na visão globalista.

 

Olhando de forma simplista, parece não ter como evitar que o globalismo domine o mundo num prazo curtíssimo. Ai de quem pensar que é só uma teoria da conspiração!

 

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

 

Ler Anterior

Vizinhos desconfiam de ar-condicionado ligado “diretão” e descobrem morador assassinado

Leia em seguida

Emanuel Pinheiro entrega computadores e kit brinquedo para unidades educacionais do município