Notícias de Última Hora :

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Deccor: Prefeitura adquiriu remédio suficiente para 12 anos no PS

A Secretaria Municipal de Saúde adquiriu em 2020 um estoque do medicamento Adenosina para o antigo Pronto Socorro de Cuiabá em quantidade suficiente para durar mais de 12 anos, só que com vencimento para janeiro de 2022. Naquela época, a Pasta era comandada por Luiz Antônio Possas de Carvalho.

A informação consta na decisão que autorizou a 2ª fase da Operação Overpriced, pela Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor), no último dia 10.

A ação investiga suposto direcionamento e sobrepreço nas dispensas de licitações realizadas com as empresas VP MedicamentosInovamed Comércio de Medicamentos e MT Pharmacy para fornecimento de medicamentos durante pandemia.

 

Possas é apontado como chefe do suposto grupo criminoso e foi afastado do cargo na 1ª fase da ação, em outubro do ano passado.

 

A Deccor calculou que a compra em grande quantidade e sem necessidade de fármacos pode causar um prejuízo de R$ 226,7 mil aos cofres públicos.

 

Conforme a Deccor, foram adquiridas 3 mil ampolas de Adenosina da VP ao custo unitário de R$ 21,42 e 600 da MT Pharmacy ao custo de R$ 10,36. Conforme a Polícia, o remédio não tem relação com o tratamento da Covid-19.

 

Segundo auditorias realizadas pelo Ministério da Saúde, o gasto médio de Adenosina no antigo Pronto Socorro é de quatro ampolas por mês, mas a unidade de saúde, que é referência para Covid, recebeu 600 em uma única compra.

 

A auditoria aponta um possível prejuízo de R$ 6,4 mil devido à 528 ampolas que podem vencer antes da utilização até 30 de janeiro de 2022, data do seu vencimento.

 

“Nota-se que as 600 ampolas de Adenosina demandas pelo HPSMC considerando a média de consumo verificada pelo Denasus na unidade durariam cerca de 150 meses (12,5 anos)”, diz trecho do documento.

 

Já do estoque de 4.100 ampolas de Adenosina entregues ao Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos de Cuiabá (CDMIC), houve uma saída para as unidades de 1.900 ampolas em 8 meses, ou seja 237,5 ampolas mensais em média.

“Como o prazo de validade expira em janeiro de 2020, isso significa que 1.725 ampolas podem vencer antes de sua utilização, representando um possível prejuízo de R$ 30.825,75”, diz outro trecho do documento.

O vereador Dilemário Alencar (Podemos) classificou a compra como uma “grande maracutaia com o dinheiro público da saúde. Ele afirmou que irá enviar um pedido ao  senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid do Senado Federal, para que convoque o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) para prestar esclarecimentos.

 

“O mais grave, é que para a compra dessa montanha de medicamentos, houve 90% de superfaturamento por parte da Secretaria Municipal de Saúde, conforme relatório feito pelo Departamento Nacional de Auditoria do Ministério da Saúde”, disse o parlamentar.

Imagem: Reprodução

Ler Anterior

Geisy Arruda posa com bolo de aniversário em local inusitado e dá o que falar

Leia em seguida

Projeto que determina imunização obrigatória vai punir servidor que não se vacinar