Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Bolsonaro sanciona projeto de Wellington para produção de 400 milhões de vacinas

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira, 15, transformando em lei o projeto do senador Wellington Fagundes, do PL de Mato Grosso, relator da Comissão Temporária da Covid-19, que permite que fábricas de vacinas e de produtos para animais sejam usadas para produzir imunizantes e insumos contra a Covid-19. A Lei 14.187/2021 foi publicada na edição do Diário Oficial da União de sexta-feira, 16, e assegura prioridade na análise dos pedidos de autorização feitos à autoridade sanitária federal.

Segundo o senador, o projeto transformado em lei tem por objetivo facilitar e estimular a realização dos trâmites necessários à utilização dessas plantas industriais para a produção de vacinas contra a covid-19. Com isso, será possível ampliar a oferta de doses de vacina, acelerar a imunização da população brasileira e diminuir a dependência de importação.

“A vacinação em massa de nossa população mostra-se como a medida mais premente e efetiva, uma vez que não existe ainda medicamento com eficácia comprovada contra o vírus. Para isso, precisamos produzir vacinas 100% nacional, estimulando também as pesquisas – disse Fagundes. Como uma das grandes potências econômicas do mundo, “não pode passar anos enfrentando uma pandemia dependendo de insumos de outros países”.

Autorizadas, essas indústrias apresentam, segundo ele, capacidade para produzir até 400 milhões de doses de vacina, num prazo de 90 dias a partir de transferência de tecnologia. A autorização, a fiscalização e o controle, de acordo com a sanção presidencial, ficam a cargo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Para começar a produzir, as indústrias veterinárias devem atender às normas sanitárias e as diretrizes de biossegurança para a produção de vacina para seres humanos. Todas as fases do processo, da fabricação ao armazenamento, passando por envasamento e embalagem, devem ocorrer em locais separados aos da fabricação de produtos veterinários.

Em inspeção a uma dessas indústrias pelos ministros de Governo, Flavia Arruda, e de Saúde, Marcelo Queiroga, ficou demonstrada a alta capacidade produtiva e conhecimento tecnológico. A indústria de saúde animal pode ser adaptada para produzir em larga escala o IFA da vacina contra a covid-19 de vírus inativado, para uso em humanos, o que representaria um grande passo para a autossuficiência nacional na produção da vacina.

O presidente Bolsonaro vetou o trecho da lei previa incentivo fiscal para que as indústrias veterinárias se adaptassem para a produção de vacinas contra a Covid-19. O governo justificou alegando que a proposta acarretaria “renúncia de receitas sem apresentação da estimativa do impacto orçamentário e financeiro e das medidas compensatórias, em violação à Lei de Responsabilidade Fiscal e à Lei de Diretrizes Orçamentárias 2021”.

“importante ressaltar que é fato que vamos precisar de vacinas por, pelo menos, dois, três anos para vencer o novo coronavirus. E temos que produzir milhões de vacinas. Daí ser fundamental essa estrutura de produção” – frisou Fagundes.

Ler Anterior

Homem é expulso de rodízio após comer 15 pratos

Leia em seguida

Aulas presenciais em Cuiabá devem retornar após imunização de todos profissionais da educação