Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) reconheceu que a concessionária Gramarca Participações e Serviços LTDA não é responsável solidária em processo judicial movido por consumidor que ingressou com pedido de substituição de veículo e danos morais no valor de R$ 129.600.

Segundo consta nos autos, o cliente adquiriu o veículo da marca Chevrolet, modelo Classic no dia 29 de novembro de 2013 e ao realizar uma viagem na companhia de sua família, um mês após a compra, com destino ao estado de Rondônia, a roda direita traseira apresentou defeito, ocasionando o acidente e que, segundo ele, colocou a vida de todos os ocupantes em risco.

As partes Requeridas alegaram, em sede de defesa, ilegitimidade passiva, ausência de defeito, inexistência de nexo de causalidade, inexistência de dano moral dentre outros. Em primeira instância houve condenação de forma solidária da Fabricante e Concessionária no valor de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) á título de indenização por danos morais.

Inconformadas, as empresas recorreram ao Tribunal de Justiça que entendeu que assistia razão somente à Concessionária Gramarca.

A Concessionária, que teve a defesa patrocinada pelo advogado Reinaldo Ortigara, reverteu a condenação ao alegar que, se o reclame se deu por Danos Morais advindos de um eventual acidente, tal situação se afigura como “fato do produto” ou “acidente de consumo”, hipótese esta que a Concessionária somente poderia ser responsabilizada se a fabricante não fosse identificada.

Levando isso em consideração, o TJ deu provimento ao apelo aviado pela Gramarca: “Após analisar detidamente os autos verifico que assiste razão à apelante. Explico. A responsabilidade pelo fato do produto decorre da exteriorização de um vício de qualidade, vale dizer, de um defeito capaz de frustrar a legítima expectativa do consumidor quanto à sua utilização ou fruição, bem como por adicionar riscos à integridade física do adquirente ou de terceiros, como ocorreu na espécie.

O Código de Defesa do Consumidor em seus artigos 12 a 18, distingue o vício causado ao consumidor como vício de consumo, decorrente de defeitos de fabricação, responsabilizando objetivamente o fabricante pela relação de causalidade entre o defeito e o evento danoso, excluindo, desse modo, o comerciante.

Deste modo tem-se que a responsabilidade do comerciante nos casos de acidente de consumo é subsidiária, sendo este responsabilizado apenas quando ocorrer uma das hipóteses do artigo 13 de Código de Defesa do Consumidor.”

Ler Anterior

Justiça cassa mandatos de prefeito e vice por caixa dois

Leia em seguida

Ações nas áreas de saúde e logística são conquistas de Dr. João nos primeiros seis meses de 2021