Notícias de Última Hora :

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

AMM consulta TCE sobre aplicação de recursos na educação considerando excepcionalidades impostas pela pandemia

Em resposta à consulta feita pela Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM, o Tribunal de Contas de Mato Grosso proferiu entendimento de que o eventual descumprimento do percentual de 25% na manutenção e desenvolvimento de ensino nos exercícios de 2020 e 2021, por si só, não ocasionará a reprovação das contas de governo do município. O percentual mínimo é garantido pelo artigo 212 da Constituição Federal que assegura que 25% dos recursos do município serão destinados à educação.

O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que o questionamento foi apresentado ao Tribunal por conta da excepcionalidade causada pelo período de pandemia. “Fizemos a consulta considerando o momento atípico e excepcional, pois os municípios não tiveram gastos com o transporte escolar nem com a contratação de professores interinos nesse período de emergência em saúde. Portanto, não conseguiram aplicar o mínimo exigido de 25%. Em anos anteriores a exigência foi cumprida, com a aplicação dos 25% na educação e de 15% na área da saúde”, frisou.

Fraga destacou a preocupação dos prefeitos com a possibilidade de não alcançar o índice constitucional devido à suspensão das atividades escolares provocada pela pandemia. Com a emergência sanitária, os municípios ficaram impedidos de realizar atividades escolares presenciais a partir de março de 2020.  “Esperamos que os gestores não sejam penalizados por não terem conseguido gastar 25% na educação”, ponderou.

A medida de flexibilização foi pacificada pelo TCE na reunião  do  colegiado  de  membros  realizada  em  24 de maio, justamente com o propósito de reconhecer a realidade vivenciada pelos municípios de Mato Grosso no período de calamidade decorrente da covid-19. Na ocasião houve o consenso de que “nas contas anuais de governo dos exercícios de 2020 e 2021, a natureza gravíssima da irregularidade referente à não aplicação do percentual mínimo de 25% da receita de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino será flexibilizada  e não conduzirá,  por  si  mesma,  à emissão de parecer prévio contrário à aprovação das contas”.

A consulta ao TCE foi feita pela AMM em dezembro de 2020. No documento, a Associação expôs a preocupação dos prefeitos com a possibilidade de não alcançar o índice constitucional devido à suspensão das atividades escolares.  Desde  o início da emergência em saúde a AMM elaborou várias notas técnicas e realizou reuniões para orientar os prefeitos sobre os procedimentos a serem adotados.

Avaliando o cenário estadual e seguindo recomendações das autoridades em saúde, os gestores  consideraram mais prudente retornar as atividades presenciais após as devidas implementações nas unidades escolares de medidas de segurança sanitárias. Em virtude do risco de contaminação as atividades escolares dos municípios se mantiveram na sua maioria suspensas até o primeiro semestre deste ano, quando iniciou o retorno das atividades em algumas localidades.

Ler Anterior

Nos bastidores, Yohansson Nascimento vive 4ª Paralimpíada da carreira

Leia em seguida

MT recebe mais de 94 mil doses de vacinas contra a Covid-19 nesta sexta