Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques se torna réu por escutas telefônicas ilegais

O ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, se tornou réu em uma ação de improbidade administrativa pelo escândalo de escutas clandestinas orquestrado com aparelhamento da Polícia Civil.

Além de Taques, a Justiça também recebeu a denúncia em relação à delegada Alana Derlene Cardoso. A decisão, do juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, é dessa segunda-feira (23).

Os dois tentaram alegar a prescrição dos fatos denunciados, destacando que já teriam se passado, à época da petição, cinco anos desde os fatos. Entretanto, o juiz destacou que a ação foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) em novembro de 2019, de forma que a prescrição não se caracteriza.

 

Paulo Taques também pediu que fossem juntadas as declarações do ex-governador Pedro Taques, mas o magistrado entendeu que não cabe esse pedido na fase inicial da ação. Por isso, rejeitou as preliminares e recebeu a denúncia.

 

Grampos ilegais

 

A denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) dá conta de que Paulo Taques “criou uma história cobertura” para atender seus interesses pessoais, induzindo duas delegadas ao erro e as levando a grampear sua ex-amante e uma servidora da Casa Civil.

Consta que Paulo Taques e Alana promoveram um esquema conhecido como “barriga de aluguel”, isto é, a inclusão de número telefônicos diversos, durante as investigações da Operação Forti, que tinha como alvo facções criminosas, deflagrada em 2015.

Na época, o ex-secretário externou uma preocupação com um possível atentado que estaria sendo tramado contra ele e o governador Pedro Taques. A autoria seria duas mulheres, em conjunto com um jornalista e João Arcanjo Ribeiro.

Com autorização de outra delegada, secretária da Inteligência, a delegada Alana pediu à Justiça a interceptação telefônica de “Dama Loura” e “Amiguinha”, sem informar quem eram e o real motivo dos grampos. Tratavam-se das ex-servidoras Tatiana Sangalli Padilha e Caroline Mariano dos Santos, sendo que a primeira era apontada como amante de Paulo Taques.

O caso veio à tona no âmbito da Grampolândia Pantaneira, como ficou conhecido o esquema de escutas clandestinas orquestrado no governo estadual, supostamente sob ordens de Paulo Taques.

Depois do escândalo, a 7ª Vara Criminal de Cuiabá, sob determinação da Corregedoria do Tribunal de Justiça, fez uma inspeção em todas as interceptações autorizadas no período de 2014/2015, para apurar se houve a prática de barriga de aluguel em algum outro caso.

Foi então que foi identificado que os números celulares de Tatiane e de Caroline foram inseridos irregularmente na investigação das facções criminosas. Isso porque, depois, com a denúncia de Paulo Taques sobre o possível atentado, a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) também passou a grampear as mulheres, dessa vez devidamente identificadas.

Na Justiça, o MPE pediu aplicação de multa de R$ 25 mil ao ex-secretário e à delegada e indenização por danos morais coletivos de R$ 15 mil.

Para Paulo Taques, quer ainda a proibição para ocupar cargo público pelo período de três anos, suspensão dos direitos políticos. Já em relação à delegada, quer a suspensão da função pública sem direito à remuneração pelo prazo de 6 meses, e que o valor do dano moral coletivo seja revertido para o Núcleo de Inteligência da Polícia Judiciária Civil.

Imagem: Reprodução

Ler Anterior

Cuiabá bate recorde de calor e é a capital mais quente do Brasil em 2021

Leia em seguida

Menino de 11 anos invade loja para esfaquear gerente em VG