Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Danos colaterais

Um dos maiores danos colaterais causados pela pandemia da covid-19 se dá na renda e no emprego. O mercado de trabalho foi o que primeiro acusou o baque do isolamento social e, ao mesmo tempo, é um dos setores da economia que mais demora a retomar tração após dezoito meses de combates intensivos às tragédias sanitária e econômica causadas pela doença. No Brasil, os estragos que afetam a renda das famílias ocasionam aumento das desigualdades sociais e da pobreza.

Estudo realizado pelo economista Daniel Duque, do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), publicado nesta semana, demonstra que o aumento da pobreza se deu de forma generalizada em todos os estados brasileiros. O trabalho comparou o percentual da população considerada pobre entre o primeiro trimestre de 2019 e janeiro a março de 2021. Utilizou a métrica definida pelo Banco Mundial para classificação da pobreza, que é a renda per capita de até U$ 5,50 por dia, o que equivale a cerca de R$ 450,00 por mês, considerando a atual taxa de câmbio pela paridade do poder de compra. O economista fez os cálculos tomando por base os dados de renda da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). Contínua e da Pnad covid 19, ambas realizadas mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O trabalho evidencia que aumento foi mais intenso na região Nordeste e em estados com grandes centros urbanos, como Rio de Janeiro e São Paulo, nos quais a participação do setor de serviços tem expressão maior na dinâmica de suas economias. O estudo mostra que o percentual da população pobre teve aumento em 24 dos 27 estados da federação brasileira.

Os três estados que não apresentaram expansão da pobreza foram Acre, Pará e Tocantins. No entanto, esses mesmos já apresentavam elevada participação da pobreza em suas populações antes da pandemia. No Acre, 46,4%, Pará 45,9% e Tocantins 35,7%. Mantiveram os níveis de pobreza, entretanto em patamar bastante elevado. Estados com economia desenvolvida como São Paulo e Rio de Janeiro também tiveram crescimento da pobreza. Em São Paulo, por exemplo, a pobreza aumentou de 13,8% em 2019 para 19,7% em 2021. No Rio de Janeiro, a pobreza subiu de 16,9% para 23,8%. O aumento da pobreza nos grandes centros urbanos é explicado por terem suas economias muito focadas no setor de serviços como entretenimento, turismo, viagens, alimentação, eventos, hospedagem, justamente os mais atingidos pela necessidade do isolamento social.

Em Mato Grosso, a pobreza evoluiu de 15,3% da população (2019) para 21,7%. Com forte participação da cadeia da agropecuária na formação do seu PIB, o estado situa-se entre os que apresentam com menores percentuais de sua população em situação de pobreza, atrás de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. No geral, o percentual médio de pobreza do Brasil passou de 25,2% no primeiro trimestre de 2019 para 29,5% no primeiro trimestre de 2021.

A dinâmica da pobreza, durante a pandemia foi mitigada pela distribuição do auxílio emergencial. No período de maio até setembro de 2020, quando houve o pagamento de valores de R% 600,00 e R$ 1.200,00, houve redução da pobreza, voltando a crescer no último trimestre de 2020 quando os valores foram reduzidos e de janeiro a abril de 2021, quando os pagamentos foram interrompidos.

A expectativa de especialistas e analistas econômicos é que os níveis de pobreza sejam reduzidos a partir do segundo semestre de 2021 com o retorno dos pagamentos do auxílio emergencial e também com a retomada da atividade econômica. Ambos os movimentos reaquecerão o mercado de trabalho formal e informal. Mas a redução da pobreza será lenta e apresentará resultados melhores apenas a partir do primeiro trimestre de 2022.

Vivaldo lopes

Ler Anterior

MT vai realizar duas audiências públicas na próxima semana para defender implantação do BRT

Leia em seguida

Caged aponta que Cuiabá lidera ranking de empregos entre as Capitais