Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Com time experiente, Brasil quer apagar 2016 e retomar coroa do futsal

O massacre por 9 a 1 sobre o Vietnã, na última segunda-feira (14), foi o cartão de visitas de um Brasil que disputa a Copa do Mundo de futsal masculino, na Lituânia, com dois objetivos claros. O primeiro, deixar a decepção de 2016 (pior campanha da seleção na história, eliminada pelo Irã nas oitavas de final) para trás e retomar a coroa da modalidade, conquistada pela última vez em 2012. O segundo é o escrete buscar o oitavo título mundial, sendo o sexto desde que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) assumiu a competição, em 1989.

“Esta foi a melhor preparação que já tivemos. Foram 30 dias de trabalho. Em 2016, foi muito complicado, uma crise política no futsal, muito difícil de trabalhar. Chegamos meio capengando, tendo que ser mais do que nunca um grupo. O que a gente leva é que a dor da derrota é muito maior que a alegria da vitória, ainda mais para o povo brasileiro, que ama o futebol e o futsal e conta com essa alegria. Quando a gente não entrega, a pancada é maior. É isso que tento passar ao pessoal, que temos condição de fazer uma história muito bonita na Lituânia”, declarou o fixo Rodrigo, capitão da seleção, à Agência Brasil.

O Capita, como é apelidado o camisa 14 brasileiro, é um dos mais experientes do grupo. Do atual elenco, ele e o goleiro Guitta estiveram no título de 2012, conquistado na Tailândia. Na ocasião, o Brasil derrotou a Espanha por 3 a 2, na prorrogação. O craque Falcão, que se aposentou das quadras em 2018, fez parte daquela seleção e brilhou na partida considerada a mais marcante da campanha.

“Foi uma conquista muito difícil. Tivemos um jogo contra a Argentina nas quartas de final, em que estávamos perdendo por 2 a 0. O Falcão entrou daquele jeito [com uma paralisia facial], todo travado, mas foi decisivo [marcando dois gols e decretando a virada por 3 a 2]. A [melhor] memória é essa, mais até que a da final, que também foi histórica. Lembro que, pouco antes do gol do Neto [o do 3 a 2 sobre a Espanha], eu perdi uma falta aberta [risos]. São momentos que marcam”, recordou o fixo.

Além de Rodrigo e Guitta, o ala Dyego e o pivô Dieguinho também têm rodagem em Copa do Mundo, integrando o elenco de 2016. Os outros 12 jogadores convocados pelo técnico Marquinhos Xavier disputam a competição pela primeira vez. O capitão brasileiro, porém, avalia que o grupo não é menos experiente por ter poucos remanescentes de outras edições.

“Temos uma seleção com muita bagagem e uma faixa etária [média de 30,9 anos] que faz com que os jogadores cheguem com uma experiência muito boa. São atletas com finais de Liga dos Campeões da Europa e de Liga Nacional de Futsal [LNF], competições importantes. Então, a gente está mais forte do que nunca, com uma preparação do nível que o Brasil merecia”, afirmou Rodrigo.

De fato, o elenco é mesclado, com oito atletas no futsal europeu e oito em equipes da LNF – transmitida pela TV Brasil aos domingos, às 11h (horário de Brasília). Um dos jogadores em atividade no país é Dieguinho, que defende o Joinville, mas já competiu nas ligas russa (Dínamo Moscou, onde foi campeão mundial em 2013) e portuguesa (Sporting, pelo qual venceu a Liga dos Campeões em 2019).

“Praticamente, sempre foi assim [mistura entre jogadores que atuam no Brasil e no exterior]. Nem todos os atletas da seleção se concentram em um lugar só. É importante, pois quem está fora conhece mais a cultura dos europeus, dos outros países, e quem está no Brasil traz a nossa cultura. Essa mescla vai nos ajudar a alcançar nosso objetivo”, destacou Dieguinho, à Agência Brasil.

Atual campeão nacional, o Magnus Sorocaba é o time brasileiro com mais convocados (quatro, entre eles Rodrigo), seguido pelo Joinville de Dieguinho (dois). Dos estrangeiros, o Barcelona (Espanha), vice europeu em 2021, é o clube com mais representantes na seleção: três, sendo um deles o fixo Ferrão, destaque da goleada sobre os vietnamitas, com quatro gols.

Se ficarem em primeiro, os brasileiros enfrentam o melhor terceiro colocado que sair dos Grupos B, E ou F (onde estão alguns dos principais adversários na briga pelo título). Atual vice-campeã mundial, a Rússia (que compete como Federação Russa de Futsal, devido à punição que o país recebeu por casos de doping nos esportes olímpicos e paralímpicos) está na chave B. Na E figura a bicampeã Espanha. Já na F encontra-se a atual detentora da coroa do futsal: a Argentina, que, inclusive, superou o Brasil na final da Eliminatória sul-americana, em fevereiro do ano passado.

“O Brasil sempre é favorito. Em todo esporte que disputa, entra pra ser campeão. Não é diferente no futsal. Há grandes equipes, como Argentina, Rússia, Portugal [atual campeão europeu] e Cazaquistão [que conta com três brasileiros naturalizados, o goleiro Higuita, o fixo Douglas Júnior e o ala/pivô Taynan]. Será um Mundial bem competitivo, mas estamos aqui para buscar esse título”, concluiu Dieguinho.

Os convocados

Goleiros: Guitta (Sporting, de Portugal), Djony (Magnus Sorocaba) e Willian (Joinville).
Alas: Leozinho, Leandro Lino (ambos Magnus Sorocaba), Dyego (Barcelona, da Espanha), Arthur (Benfica, de Portugal), Gadeia (Elpozo, da Espanha) e Bruno (Ukhta, da Rússia).
Fixos: Rodrigo (Magnus Sorocaba), Lé (Corinthians) e Marlon (Palma, da Espanha).
Pivôs: Rocha (Carlos Barbosa), Dieguinho (Joinville), Pito e Ferrão (ambos Barcelona, da Espanha).

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: EBC Esportes

Ler Anterior

Fiscais da Sema apreendem equipamentos utilizados em pesca predatória

Leia em seguida

Tempestade destrói tendas e vacinação é interrompida em 3 polos