Notícias de Última Hora :

Consultora financeira explica sobre a nova liberação de empréstimo para quem é beneficiário do BPC

Fonoaudióloga defende diagnóstico precoce para prevenção da perda auditiva

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

segunda-feira, 23 de maio de 2022

Liberdade de culto

O dia 07 de janeiro de 1890 trouxe a primeira norma ao Brasil sobre a liberdade de culto. Desde então, a Lei Maior trata do tema. É de se discutir e pensar se há separação da ciência política e religião, e, ainda, se a religião tem influenciado em algo no país.

Pelo artigo 5º, VI, da Constituição Cidadã: “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias.”

O Brasil é um estado laico. Todavia, essa mesma liberdade de culto há tanto tempo conquistada não tem sido garantida. Hodiernamente algumas pessoas costumam se esconder atrás de crenças como se uma fosse mais importante que outras.  E as mulheres tem sido as maiores prejudicadas.

Também é da nossa Constituição da República que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa, convicção filosófica ou política.” Jorge Amado, sabiamente, quando deputado federal, lutou para incluir na Constituição de 1946 a liberdade religiosa, mesmo tendo sido fruto de norma tempos antes.

Esse é um tema espinhoso e com diversos questionamentos. Se é um país laico, não é possível fazer política em nome de Deus. Por exemplo, vários feriados brasileiros são comemorados em datas católicas, onde todas as religiões acabam ‘feriando’, o que não estaria condizente com a laicidade.

Faz parte do viver pacificamente o respeito à cultura, ao entendimento e a religiosidade de cada qual, sem qualquer lastro de julgamento. De uns tempos para cá, no Brasil, a ‘’família correta’’ está totalmente atrelada a determinada forma de se portar, onde não existe espaço, mesmo no Estado Democrático e de Direito.

É claro que as mulheres são as maiores vítimas da intolerância religiosa, sendo muito mais privadas dos seus direitos por obra da crença religiosa. Meninas e mulheres são mutiladas por conta de cultura e religião.  Mulheres não podem exercer o direito sexual e reprodutivo em nome religião, diferentemente do gênero oposto. Diferentemente do que dizem as leis, a cultura, a religião e o direito estão imbricadas, principalmente com referência às mulheres.

É visível a socialização das mulheres trans e travestis com grande representatividade dentro da Umbanda e Candomblé, muito bem recepcionadas e respeitadas, onde aconteceu e acontece o resgate da identidade transexual negra no Brasil.

O ambiente de terreiro se mostra como o verdadeiro socializar. Aliás, como foi perceptível na época onde a ‘escravidão’ se fazia mais latente. A crença é de livre escolha. Oxalá!  É da Declaração Universal dos Direitos Humanos, artigo 18º: “Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.”

Com tantas leis e princípios a garantir tão magnífica liberdade, de culto, não deveria haver motivos para tanta discriminação. Não deveria acontecer  dificuldade em externar  o vernáculo respeito. A realidade é que esse desrespeito atinge frontalmente raça, orientação sexual, aparência física, posição econômica e grau de escolaridade. Quanto maior a vulnerabilidade, como em progressão geométrica, acontece o desamor… O mundo ecumênico já foi por muito tempo cantado por Clara Nunes: “A sua riqueza vem lá do passado/De lá do congado/ Eu tenho certeza/ Filhas de Gandhi/ Ê povo grande”.

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.

Ler Anterior

Prefeito deve liberar Carnaval e Festival de Inverno: “Nós decidimos por retomar isso, que já foi uma tradição na cidade”

Leia em seguida

Gefron bate recorde de ocorrências atendidas e apreende 20 aeronaves em 2021