Notícias de Última Hora :

Consultora financeira explica sobre a nova liberação de empréstimo para quem é beneficiário do BPC

Fonoaudióloga defende diagnóstico precoce para prevenção da perda auditiva

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

segunda-feira, 8 de agosto de 2022

73% dos resgates são de vítimas de exploração sexual

Em Mato Grosso, 73% dos resgates feitos nos casos de tráfico de pessoas estão relacionados com vítimas de exploração sexual. Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública apontam que de 2010 até 2022, foram 14 ações de resgates com 38 vítimas. No perfil de pessoas traficadas, 65% são mulheres e a maioria das vítimas vem de outros estados. O número pode ser ainda maior, alerta a coordenadora do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de Mato Grosso (Cetrap), Dulce Regina de Amorim. Uma vez que, assim como na violência doméstica, muitas pessoas não se reconhecem como vítima.

 

“Elas não se reconhecem como traficadas, se chegam para fazer a denúncia têm em mente apenas que foram vítimas de violação. Por isso, a finalidade de trabalhar para que as pessoas identifiquem esse crime. Apesar do Cetrap estar ativo desde 2010, ainda tem caminho para percorrer nesta luta contra o tráfico de pessoas”, diz.

 

Diante da invisibilidade do crime, Dulce ressalta a necessidade de que todos atentem aos sinais. “Se as pessoas estão machucadas, estão sem documento, vivem em cárcere privado. Se vai num serviço de saúde acompanhada de alguém que não é parente e não a deixa falar, sempre é bom desconfiar”.

 

Mulheres e adolescentes são as maiores vítimas, assevera Dulce. A coordenadora destaca que o tráfico de pessoas é composto pelo recrutamento por meio de falsas promessas. Também o transporte das vítimas por meio de fraude para finalidade de exploração sexual, de trabalho e outros.

 

Leis 

A Lei nº 13.344, de outubro de 2016, aponta que o crime de tráfico de pessoas envolve aliciar, recrutar, transportar, transferir, comprar, alojar ou acolher pessoa, mediante ameaça, violência e abuso com a finalidade de exploração. Já em setembro de 2020, o governador Mauro Mendes sancionou a Lei 11.118, criando a Política Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Estado. Exploração sexual, o trabalho ou os serviços forçados, casamento servil ou a remoção de órgãos são enquadrados como exemplos de tráfico de pessoas.

 

O emprego do sonho com a oportunidade de moradia, alimentação e de conhecer outro Estado. A promessa de uma vida melhor que no final acaba virando pesadelo. Assim, muitas vítimas de tráfico de pessoas com finalidade de trabalho análogo à escravidão, acabam sendo ludibriadas. Membro do Cetrap, defensor público federal Renan Vinícius Sotto Mayor de Oliveira pondera que nem sempre o trabalho análogo à escravidão está associado à força física. Condições degradantes e cerceamento de direitos são exemplos do crime.

 

Renan afirma que a Defensoria tem atuado em ações judiciais e missões de combate ao trabalho escravo. Conforme o defensor, muitas vezes o que se percebe é que são feitas ofertas para pessoas de outras regiões. Promessas de emprego, alojamento e outros, que não são efetivadas. “Na verdade falam que a pessoa tem que ficar, mas vai ter direito à moradia ou comida descontados do salário. Quando vê a pessoa que veio com uma proposta positiva, na verdade é colocada em situação de trabalho degradante”.

Fonte: Gazeta Digital

Ler Anterior

Mirella causa polêmica ao posar de biquíni para anunciar shows: “É a bad Mi, né!!”

Leia em seguida

Servidor de MT morre ao ser eletrocutado enquanto trabalhava