Notícias de Última Hora :

Consultora financeira explica sobre a nova liberação de empréstimo para quem é beneficiário do BPC

Fonoaudióloga defende diagnóstico precoce para prevenção da perda auditiva

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

segunda-feira, 8 de agosto de 2022

MP pede prisão e perda do cargo de cabo condenado por condenado por matar tenente

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) ingressou com um recurso de apelação para revogar a decisão que autorizou o cabo Lucélio Gomes Jacinto a recorrer em liberdade após ter sido condenado a 20 anos de prisão pelo assassinato do tenente do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Carlos Henrique Scheifer, em 2017. O MPE também pede o aumento da pena e a exclusão do condenado das fileiras da PM.

No pedido ingressado pela promotora de Justiça, Daniele Crema da Rocha de Souza, cita que após a confirmação da sentença, o Conselho Permanente de Justiça negou por unanimidade o pedido da defesa para que o réu pudesse responder a pena fora da cadeia.

 

Contudo, o juiz auditor atendeu ao pedido sobre o argumentando de que o habeas corpus concedido a Lucélio estava em vigência. Na ocasião, o magistrado também pontuou que o réu só poderá ser mandado para a cadeia após esgotadas todas as chances de apelação em instâncias superiores e transitado em julgado a decisão ( quando não cabem mais recursos).

“Ora, ao suspender a decisão do Conselho Permanente de Justiça que negou ao Apelado o direito de recorrer em liberdade, ao arrepio da lei e da jurisprudência, o r. decisum do Juiz Auditor contrariou a própria decisão do órgão colegiado de primeiro grau, abalando a confiança da sociedade na credibilidade das instituições públicas, bem como o necessário senso coletivo de cumprimento da lei e de ordenação social”, cita o documento.

Na sequência, a promotora destacou que ao o magistrado “usurpou” da competência privativa do órgão colegiado. “Desta feita, no curso da instrução criminal, eventual decisão do Juiz Auditor que revoga decisão dos Juízes Militares sobre a necessidade de reestabelecimento da prisão consubstancia censurável usurpação de competência privativa do Conselho de Justiça, devendo ser anulada”, diz outro trecho.

Ao final, Daniele pediu que, diante da gravidade do crime, seja anulada a decisão do juiz auditor e o aumento da pena proferida ao cabo. Além da prisão, o documento pede também que Lucélio perca o posto na Polícia Militar após o processo tramitar em julgado.

“Ademais, após o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, requeiro a remessa de cópias integrais da presente ação penal ao Procurador-Geral de Justiça visando eventual oferecimento de representação pela perda do posto, com a consequente exclusão do militar CB PM Lucélio Gomes Jacinto das fileiras da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso, nos termos dos, todos da Constituição Federal”, finaliza.

O caso
O policial foi morto aos 27 anos com um tiro de fuzil que o atingiu no abdômen, durante operação no distrito de União do Norte, em Matupá, a 700 km de Cuiabá. Os policiais estavam em busca de criminosos da quadrilha de assalto a banco, na modalidade “novo cangaço”. Ele chegou a ser levado para o hospital da cidade, mas não resistiu.

Além de Lucélio, foram julgados pelo Conselho de Sentença o 3º sargento Joailton Lopes de Amorim e o soldado Werney Cavalcante Jovino. Os dois últimos foram inocentados do envolvimento do homicídio, apesar de terem presenciado o ato e confirmado a versão de Lucélio de que foi um criminoso escondido na mata que atirou na vítima durante confronto, isso na primeira versão.

Fonte: Gazeta Digital

Ler Anterior

Tati Zaqui provoca fãs com foto ousada antes de dormir: “Mostrando tudo!”

Leia em seguida

Ex-secretário de Estado morre de infarto jogando tênis