Breaking News :

Consultora financeira explica sobre a nova liberação de empréstimo para quem é beneficiário do BPC

Fonoaudióloga defende diagnóstico precoce para prevenção da perda auditiva

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

sábado, 2 de março de 2024

Desinformação ainda é obstáculo para diagnóstico e tratamento de hanseníase

Apesar de Mato Grosso possuir uma das maiores taxas de detecção de hanseníase do país e ser reconhecido como hiperendêmico, pouco se fala sobre a doença e muitos sequer compreendem como se contrai, quais os sintomas e como prevenir.

Conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) foram diagnosticados em Mato Grosso 2.496 casos de hanseníase

em 2020, 2.099 casos em 2021, 2.375 em 2022 e dados parciais de 2023 apontam para 4.212 casos.

Embora os avanços na medicina tenham se consolidado com o tempo, a doença possui histórico milenar de estigmas sociais que perduram desde os registros bíblicos. A falta de informação correta e amplamente disseminada ainda pode ser um obstáculo para quem busca por ajuda e tratamento.

“Eu já tinha ouvido falar disso, mas era antigamente conhecido como lepra. Eu não conhecia ninguém que tivesse, nem na família”, recorda a dona de casa Edneuza Pereira Brautigan, 62.

Ela descobriu, em 2018, que estava com hanseníase após uma suspeita de fibromialgia. “Minhas pernas começaram a travar e eu não conseguia andar. Minha filha ficou preocupada e me levou ao hospital para consulta”, relata. Devido aos sintomas, ela foi encaminhada para uma médica que realizou testes e foi constatada a hanseníase.

Apesar dos desafios, ela conta que todos da família deram apoio e que o afastamento não foi necessário, pois estava cumprindo corretamente o tratamento, que consistiu em tomar um coquetel de medicamentos durante um ano. “As pessoas que conviviam comigo não tinham a possibilidade de pegar e nem preconceito”, afirma.

Edneuza conta que hoje está bem de saúde e finalizou o tratamento há 5 anos, mas teve sequelas na perna esquerda, pois descobriu a doença de forma tardia.

Já a advogada Ivani Mariani Vozniak, 49, descobriu que teve hanseníase com o surgimento de uma pequena mancha vermelha na parte de trás do braço, há cerca de 20 anos. Ela conta que não sentia nada no local da mancha, apenas amortecimento e a coceira. Com o passar dos meses, a lesão foi aumentando de tamanho e chegou a ficar com dez centímetros de diâmetro.

“Um dia fui no posto de saúde ver uma coisa do meu trabalho e vi na parede um cartaz mostrando o que era hanseníase, sintomas, fotos. Vi aquela foto e a mancha era igual à minha. Eu falei meu Deus, é isso que eu tenho, vou ter que ir ao médico”, conta.

Após consulta e feita a biópsia no local para exames, o resultado foi positivo. “Fiquei muito triste, abalada, porque a doença na época não era tão comum. Acredito que muitas pessoas tinham e nem faziam ideia, também acho que as pessoas não falam quando têm, é pouco divulgado. […] Fui embora chorando do consultório porque eu não imaginava isso e não sabia como iria ser”, relembra.

Com o diagnóstico vieram os questionamentos sobre como pegou a doença, de quem, como e onde, já que não sabia muito sobre a enfermidade.

Apesar da preocupação, logo iniciou o tratamento, que durou 6 meses com medicamentos fortes e vitaminas. “No primeiro mês, a lesão já sumiu, não coçava mais. O médico explicou que tinha que ser seis meses, senão eu poderia ter o retorno da doença. Então eu fiz o tratamento certinho e nunca mais tive nada”, esclarece.

Importância da detecção precoce

Segundo o doutor em Ciências pela UNIFESP, Amílcar Sabino Damazo, a transmissão da hanseníase se dá pelas vias aéreas após convívio com uma pessoa doente e sem tratamento. A doença pode ficar incubada no corpo por anos até se manifestar, mas os primeiros sinais são muito sutis e podem ser confundidos com dormência nos braços e pernas, câimbras e sensação de choque.

Com o passar do tempo, pode ocorrer o espessamento de nervo e dor local, perda de sensibilidade e posteriormente o desenvolvimento de manchas como forma mais tardia da enfermidade.

 

Amílcar Sabino Damazo pesquisador hanseníaseDe acordo com o especialista, o quadro de pobreza que afeta o estado de Mato Grosso é um importante fator para a propagação da doença, bem como a falta de saneamento básico, o que pode tornar o paciente mais suscetível à proliferação da micobactéria.

“Apesar disso, é importante ressaltar que Mato Grosso tem um alto índice de pacientes com hanseníase porque o estado possui profissionais bem capacitados e capazes de fazer a detecção da doença”, afirma o pesquisador.

“Outros estados possuem baixos índices, mas um alto grau de subnotificações. Isso pode ser verificado quando se avalia o índice de grau de incapacidades. Mato Grosso tem um baixo número, comparado a vários estados. O que indica que fazemos detecção precoce”, esclarece.

Como prevenção, é necessário fazer a busca ativa por pessoas doentes, para que elas possam receber a medicação, pois o tratamento é a única forma para que a cadeia de transmissão seja interrompida.

Entre os mitos e preconceitos comuns sobre a doença, o doutor Amílcar cita que as pessoas acreditam que a hanseníase pode ser transmitida pela pele. “Isso precisa ser desmistificado. A pessoa em tratamento não transmite a doença. Ela não pode ser discriminada. Isso é crime”, alerta.

“A hanseníase é uma doença que precisa ser combatida, da mesma forma, o preconceito e a desinformação precisam ser combatidos. A pessoa doente precisa de apoio, principalmente da família. Estando em tratamento, a doença não se propaga. Muitos pacientes com hanseníase desenvolvem sequelas. O apoio de amigos e família é fundamental para ajudar a pessoa a superar os problemas e as dificuldades”, finaliza.

Tratamento

Após o diagnóstico, o paciente começará a ser tratado de forma supervisionada. O que significa que o paciente tem que ir ao centro de saúde a cada 28 dias para receber a medicação e comprovar que está tomando diariamente toda medicação corretamente.

O tratamento pode durar de 6 meses a 1 ano, e pode ser prolongado, caso necessário. A medicação é gratuita e disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Fonte: Gazeta Digital

Read Previous

Comitê Olímpico da Rússia diz que vai recorrer contra suspensão de patinadora

Read Next

Operação da PF em MT combate fraudes bancárias de 3,6 milhões de euros